MELOTECA SÍTIO DE MÚSICAS E ARTES
Siga-nosFacebookFacebookTwitterLinkedInMyspaceFlickr
> Organizações
PRINCIPAL
Casa da Música
Teatro Municipal de Faro
Fundação Calouste Gulbenkian
Centro Cultural de Belém

 

Associações

MÚSICA EM PORTUGAL

Associação Cultural AngraJazz

Associação Cultural Música XXI

Associação dos Amigos do Coliseu do Porto

Associação Ginásio Ópera

Associação Internacional de Música da Costa do Estoril

Associação Musical de Évora "Eborae Musica"

Associação Musical e Cultural Xarabanda

Associação Musical Juvenil Momentum Perpetuum

Associação Musical Lisboa Cantat

Associação Musical Pro Organo

Associação dos Profissionais do Ensino da Música

Associação Portuguesa de Ciências Musicais

Associação Portuguesa de Musicoterapia

Associação Pró-Música da Póvoa de Varzim

Binaural

Casa da Música

Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira

Centro de Cultura Musical

Círculo Cultural Scalabitano

Círculo de Cultura Musical da Bairrada

Círculo Portuense de Ópera

Concertato Associação Musical

Culturporto - Associação de Produção Cultural

Ideias do Levante

Legato - Associação de Arte e Guitarra de Portugal

PangeiArt

Ricercare - Associação Musical

Sintra Estúdio de Ópera Associação Cultural

ASSOCIAÇÃO CULTURAL ANGRAJAZZ

O Angrajazz é um festival assumidamente generalista, que tem como principal objectivo a divulgação e o desenvolvimento do gosto pelo jazz nos Açores, ao mesmo tempo que, pela sua qualidade, marque presença no calendário anual do jazz nacional.

A Associação Cultural Angrajazz tem ainda levado a efeito, por altura do festival, acções de formação destinadas a bandas locais, assim como outras actividades paralelas - conferências, exposições de instrumentos, de fotografia, feiras do disco e outras.

Como resultado de algumas destas acções de formação nasce em Julho de 2002, apresentando-se pela primeira vez na quarta edição do festival, a ORQUESTRA ANGRAJAZZ, dirigida pelos músicos e professores Pedro Moreira e Claus Nymark e constituída por músicos naturais ou residentes na Ilha Terceira.

CONTACTOS

MoradaMorada:

Associação Cultural Angrajazz

Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo

9700 - 130 Angra do Heroísmo

Açores, Portugal

TelefoneTel. (00 351) 295 218 490

FaxFax (00 351) 295 218 490

SítioSítio: angrajazz.com

TOPO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL MÚSICA XXI

Associação Cultural Música XXI

CONTACTOS

SítioSítio:www.acmusicaxxi.com

TOPO

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO COLISEU DO PORTO

CONTACTOS

MoradaMorada:

Associação Amigos do Coliseu do Porto

Rua Passos Manuel, 137

4000-385 PORTO

TelefoneTel. (00 351) 223 394 940

FaxFax (00 351) 223 394 949

SítioSítio: www.coliseudoporto.pt

TOPO

ASSOCIAÇÃO GINÁSIO ÓPERA

A Associação Ginásio Ópera, instituição sem fins lucrativos, reconhecida pelo Ministério da Cultura como de interesse cultural relevante (Lei do Mecenato Cultural), foi fundada no início do ano de 2001 por um conjunto de pessoas desde há muito ligadas, tanto no plano afectivo como profissional, à vida artística e cultural do nosso país, uma iniciativa estribada na preocupação comum de travar o processo de gradual esvaziamento da vida artística portuguesa, em particular no domínio do teatro musical, que se foi notando e acentuando ao longo da última década dos anos novecentos.

Como a expressão ginásio sugere, no seu mais clássico significado, esta instituição tem por objectivo promover o estudo, o ensino e a divulgação da ópera entendida como amplo espaço de confluência das diferentes vertentes da criatividade artística. Significa isto que embora centrando a sua actividade formativa e divulgadora no espaço cultural do teatro lírico e do canto em geral, esta associação pretende incrementar algo que tem sido descurado: a interdisciplinariedade artística.

Uma vez que a ópera tem a atraente particularidade de convocar para o seu seio todas as artes - e não apenas a música e o teatro - isso parece sugerir estar ela vocacionada para promover o encontro dos artistas, cruzando actividades e ideias. Deste modo, pensamos poder contrariar uma empobrecedora tradição de divórcio entre os profissionais dos vários ramos de criatividade artística. Não será enriquecedor encomendar a um escultor uma obra para colocar numa cena de uma qualquer produção artística? Ou motivar escritores, críticos literários, linguistas a debruçarem-se sobre o libreto como forma literária?

Gerar anticorpos que contrariassem a tendência para o vazio que se vinha acentuando, em particular desde o encerramento da Companhia do Teatro Nacional de S. Carlos, foi uma das preocupações que esteve na origem da Associação Ginásio Ópera.

Com a sua fundação procurou-se corresponder ao conteúdo de uma das principais conclusões do Colóquio "Ser Artista em Portugal", realizado no final do ano 2000 e em que participaram o Ministério da Cultura e os principais parceiros sociais, conclusão essa que se encontra expressa no ponto 6 do Manifesto "Ser Artista em Portugal", nos seguintes termos: "Terminada a formação superior dos alunos de música é preciso criar uma instância vocacionada para a sua profissionalização e internacionalização. Um estúdio artístico a criar poderia encarregar-se da organização de master classes, de audições públicas, da participação em concursos internacionais, de parcerias em redes europeias na área musical, da intervenção em festivais de música, da criação de circuitos alternativos para actuação de jovens músicos. Só assim se evitará o desemprego maciço dos músicos portugueses e o desperdício de reais valores".

O contacto regular com o público e com o palco é condição indispensável ao desenvolvimento de um artista lírico. Porém, a crise que se instalou no sector do teatro musical e do canto lírico, principalmente a partir da extinção da Companhia Nacional de Ópera, gerou uma situação em que os jovens cantores, por mais talento que revelem possuir, não têm onde actuar com regularidade, e até os artistas já afirmados não encontram com facilidade local onde actuar e correm o sério risco de verem as suas carreiras irremediávelmente interrompidas. Uma situação que atinge de igual modo todas as outras classes profissionais envolvidas no espectáculo músico-teatral: maestros, músicos de orquestra, encenadores, coreógrafos, bailarinos, figurinistas, técnicos de iluminação, etc. Ciente desta situação, o Ginásio Ópera tem procurado criar novos espaços de actuação para os artistas portugueses, com destaque para os cantores mais jovens.

Uma outra prioridade da acção cultural desenvolvida pelo Ginásio Ópera é a criação de novos públicos para a arte operísta. Daí que haja a constante preocupação de aproximar a ópera das camadas mais jovens através de sessões de dinamização, colóquios, espectáculos ou cursos levados a cabo junto dos jovens, nomeadamente no interior do espaço escola. Em sintonia com esta linha de orientação, na vertente da sua actividade centrada na produção de espectáculos, pretende-se que esta esteja invariavelmente associada à intenção pedagógica e divulgadora de revelar aos não iniciados os interiores do fenómeno ópera, os seus bastidores, dando a conhecer cada uma das etapas de realização de tão fascinante espectáculo. Esta preocupação confere ao investimento de produção artística do Ginásio Ópera um perfil singular no quadro da intervenção cultural no nosso país.

CONTACTOS

SítioSítio: www.ginasioopera.com

TelemóvelTlm. António Rebordão (00 351) 965 096 820

12 Junho 2007

TOPO

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE MÚSICA DA COSTA DO ESTORIL

A Associação Internacional de Música da Costa do Estoril foi fundada em 1981, por sugestão da Direcção Geral de Acção Cultural / Secretaria de Estado da Cultura, com o objecto de organizar, gerir e promover os Cursos Internacionais de Música do Estoril e o Festival do Estoril, até essa data da exclusiva responsabilidade da Junta de Turismo da Costa do Estoril, tendo para o efeito estabelecido de imediato um protocolo de co-organização com esse organismo. Foi seu primeiro presidente o Dr. Eusébio Marques de Carvalho.

Paralelamente, assumiu, entre outros objectivos, o compromisso de concluir o Projecto de Reestruturação dos Cursos Internacionais elaborado em 1974, estimular outras fontes de receita, nomeadamente no sector empresarial onde foi precursora nesta área, assim como desenvolver um conjunto de acções em prol da integração do Festival do Estoril na European Festivals Association e, ainda, a criação da Academia Internacional de Música do Estoril, escola vocacionada para o ensino musical básico inexistente no Concelho. Simultaneamente, promoveu a instalação de uma concha acústica desmontável no Parque Palmela com vista à construção futura de um auditório, iniciando-se pela primeira vez (1981) nesse espaço a realização de espectáculos do Festival. A partir desta iniciativa levada a efeito com o apoio da Junta de Turismo da Costa do Estoril e o patrocínio da Philips, dava-se início à utilização regular do Parque Palmela para actividades artísticas.

Em 1982, a AIMCE vê coroada de êxito as suas diligências internacionais obtendo a integração do Festival do Estoril na European Festivals Association (EFA), máximo organismo mundial da especialidade, em representação de Portugal. Por outro lado, na sequência do anterior alargamento do Festival a espaços em Lisboa, Queluz, Sintra e Mafra, estabelece um acordo com a Câmara Municipal de Sintra para o relançamento do extinto Festival de Sintra, iniciando-se nesse ano um novo festival com o apoio artístico e técnico da AIMCE.

Em pleno período de expansão, a AIMCE promove em 1984 acordos com a RTP e a RTVE para a realização de programas especiais cobrindo integralmente o Festival com os que alcança uma projecção de larga escala. Ao mesmo tempo, através de acordos estabelecidos com a Câmara Municipal de Cascais e a Secretaria de Estado da Cultura realiza os I Encontros Musicais com vista à criação da Academia Internacional de Música do Estoril.

Em 1985, Ano Europeu da Música, a AIMCE organiza pela primeira vez em Portugal a Assembleia Geral da EFA, reforçando o seu prestígio internacional. Em reconhecimento ao mérito e volume das acções desenvolvidas em prol da promoção cultural do Concelho, a Câmara Municipal de Cascais atribui à AIMCE a Medalha de Mérito Municipal. Assinalando o Ano Europeu da Música e o 10º aniversário do Festival do Estoril, é editado um disco com gravações dos arquivos áudio do Festival.

Na sequência da realização de diversos Encontros Musicais, é estabelecido em 1988 o protocolo de criação da Academia Internacional de Música do Estoril entre a Câmara Municipal de Cascais,  Nova Filarmonia Portuguesa  e AIMCE, sendo instalada, a título provisório, na Casa-Museu Verdades de Faria, sede da AIMCE, onde se inicia nesse ano. Ainda com o apoio da CMC, a AIMCE apresenta o Festival e os Cursos Internacionais na I Feira das Industrias da Cultura levada a efeito na FIL. No âmbito do desenvolvimento da AIMCE, são criados em 1990 os Pequenos Cantores do Estoril e o Concurso de Interpretação do Estoril. Sucedem-se nos anos seguintes as propostas de criação da Orquestra de Câmara de Cascais, como projecto de estabilização da iniciativa levada a cabo em anos anteriores pela AIMCE no seio da Orquestra de Câmara do Festival e, com base na experiência de 1981, a da construção do Auditório Parque Palmela, iniciada apela CMC em 1995 e inaugurado em 1997, ano em que o Prof. Piñeiro Nagy, director artístico do Festival e Cursos Internacionais, é eleito em Turim para o Comité Executivo da EFA. O ano 1998 é marcado pela realização da Assembleia Geral da EFA no Estoril, pela reeleição por dois anos do director do Festival no Comité Executivo da EFA e pela proposta de institucionalização da Orquestra de Câmara de Cascais, com ligação ao ensino, apresentada pela AIMCE à CMC e ao Ministério da Cultura.

Até fins de 2000 sucedem-se importantes acontecimentos de caracter internacional com destaque para as comemorações do 5º Centenário do Descobrimento do Brasil e do Milénio da Hungria, em colaboração com a Comissão Nacional dos Descobrimentos e o Estado Húngaro, a realização do primeiro Eurofest Trainning Programme organizado pela EFA e AIMCE com financiamentos da UE, criação dos websites Eurofestival Infocenter e estorilfestival.net, eleição do director do Festival para o Comité de Relações com a Comissão Europeia realizada em Dubrovnik durante a Assembleia Geral da EFA e, ainda, a reeleição por dois anos da sua permanência no Comité Executivo da EFA efectuada na Assembleia Geral de Helsinki. No plano interno, a AIMCE procede à reestruturação de todas as actividades com vista à criação das Semanas de Música do Estoril e, com a institucionalização da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, vê, finalmente, concretizado o objectivo da criação de uma orquestra de câmara local. Assim, promove a estreia da primeira ópera para crianças, composta por Stella Lalova, com a participação dos Pequenos Cantores do Estoril, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras e solistas, dirigidos pelo Maestro Nikolay Lalov.

O ano 2001 marca o princípio de um novo ciclo para a AIMCE com a criação das Semanas de Musica do Estoril envolvendo um conjunto de novos projectos, assim como o processo de transição da Academia Internacional de Música do Estoril para a estrutura da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras que virá a consumar-se por protocolo em 2002. Ao mesmo tempo, a AIMCE vê consolidado, na Assembleia Geral da EFA realizada em Bad  Kissingen,  o seu prestígio internacional  pela  eleição  do  director do Festival para a Administração da Asbl Eurofestival, nova associação criada em Bruxelas para o desenvolvimento de relações com a Comissão Europeia.

A comemoração do 40º aniversário dos Cursos Internacionais de Música do Estoril através da realização de uma série inédita de concertos com antigos alunos portugueses, hoje artistas consagrados, de uma ampla exposição sobre os seus arquivos e das memórias vivas dos relatos da Prof. Helena de Sá e Costa, única professora presente ininterruptamente nos Cursos desde 1962, assinalaram o ano 2002 de forma muito particular. Inicia-se, então, uma nova estratégia na qual se insere o acordo estabelecido pela AIMCE com o Teatro Nacional de São Carlos para a participação da Orquestra Sinfónica Portuguesa, na qualidade de orquestra residente, como um dos suportes fundamentais do novo projecto Mare Nostrum, dedicado à divulgação da nova geração de compositores do Mediterrâneo em conjunto com autores consagrados de outras épocas. Estimula-se a colaboração de outros festivais europeus neste projecto e  estabelece-se  uma ponte com os Estados Unidos, onde se inicia em New York, em Fevereiro de 2005, uma secção de Mare Nostrum. A comemoração do 30º aniversário da fundação do Festival do Estoril, através da edição de memórias contidas em 5 CDs temáticos com gravações históricas, um livro com a integral dos concertos realizados, artistas, agrupamentos, estreias mundiais e nacionais, assim como fotos, extractos de críticas e documentos históricos e uma exposição sobre os arquivos do Festival, foram acções especiais que assinalaram este importante aniversário, culminado na Sessão Inaugural do Festival de 2005 com a condecoração do Prof. Piñeiro Nagy, actual presidente da AIMCE, pelo Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, com a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique.

16 Junho 2007

TOPO

ASSOCIAÇÃO MUSICAL DE ÉVORA "EBORAE MUSICA"

A Associação Musical de Évora "Eborae Mvsica" estreou com a apresentação do Coro Polifónico, Coro Infantil e Cantores Solistas, em Setembro de 1987, num Concerto integrado no certame "Os Povos e as Artes". Tendo como objectivo primordial a divulgação dos grandes Mestres polifonistas da Escola de Música da Sé de Évora, vem desenvolvendo desde essa data intensa actividade, apresentando-se em vários acontecimentos culturais no país e no estrangeiro.

Têm sido desenvolvidas várias actividades no seio desta Associação, como Grupos de Iniciação Musical (a partir dos 4 anos), Coro Infantil, Coro Juvenil, aprendizagem de Formação Musical, Acordeão, Canto, Guitarra, Flauta, Piano, Violino, Violoncelo. Na sequência deste trabalho e como reconhecimento do mesmo, iniciou-se, há três anos lectivos, uma nova etapa da articulação com o Ministério da Educação através da criação do Conservatório Regional de Évora -Eborae Mvsica.

27 Maio 2006

TOPO

ASSOCIAÇÃO MUSICAL E CULTURAL XARABANDA

Historial

CONTACTOS

MoradaMorada:

Travessa das Capuchinhas, nº 4 R/C

9000-030 FUNCHAL

TelefoneTel. (00 351) 291 741 439

FaxFax (00 351) 291 741 439

SítioSítio: www.myspace.com/xarabanda

Correio electrónicoCorreio: xarabanda@gmail.com

TOPO

ASSOCIAÇÃO MUSICAL JUVENIL MOMENTUM PERPETUUM

A Orquestra de Jovens de Portugal, Momentum Perpetuum, composta por 80 músicos, com idades compreendidas entre os 13 e os 25 anos, apresenta-se, pela primeira vez , na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, no âmbito do ciclo "Concertos de Verão".

Na sequência do estágio da orquestra dos conservatórios nacionais, que decorreu em Braga, no mês de Abril de 2006, os jovens estagiários, seleccionados pelo Maestro Martin André, que já dirigiu todas as grandes companhias de ópera britânicas, nomeadamente a Ópera Nacional Inglesa e a Royal Opera House, consideraram que a experiência excedeu todas as expectativas e decidiram associar-se, formando esta orquestra.

CONTACTOS

Associação Musical Juvenil Momentum Perpetuum

TelefoneTel. (+00 351) 229 517 416

26 Julho 2007

TOPO

ASSOCIAÇÃO MUSICAL LISBOA CANTAT

A Associação Musical Lisboa Cantat (AMLC) iniciou as suas actividades em 13 de Dezembro de 1977, com a designação de Coral Caminhos Novos, tendo passado a designar-se Coral Lisboa Cantat em 14 de Julho de 1983, designação que manteve até 27 de Maio de 2007, data em que, com a alteração dos Estatutos, passou a designar-se Associação Musical Lisboa Cantat.

A AMLC é uma é uma pessoa colectiva de direito privado e sem fins lucrativos e prossegue objectivos fundamentalmente de ordem musical e, acessoriamente, de ordem social e recreativa. É independente de qualquer instituição e não tem qualquer identificação política, partidária ou religiosa.

A AMLC é constituída por cerca de 120 Associados, entre pessoas singulares e colectivas, na qualidade de associados efectivos, colaboradores ou honorários, consoante a sua forma de integração.

Foi membro fundador da A.C.A.A.L. (Associação de Coros Amadores da Área de Lisboa), sendo igualmente associada do Europa Cantat, e da I.F.C.M. (Internacional Federation of Choral Music).

No âmbito dos seus objectivos musicais, a AMLC tem em funcionamento os seguintes Departamentos:

•  Coro Sinfónico Lisboa Cantat (100 elementos)

•  Coro de Câmara Lisboa Cantat (18 elementos)

•  Escola de Música Lisboa Cantat

No âmbito das actividades musicais desenvolvidas pela AMLC, está prevista a criação dos seguintes Departamentos:

•  Coro Juvenil Lisboa Cantat

•  Coro Infantil Lisboa Cantat

CONTACTOS

SítioSítio: www.lisboacantat.com

Correio electrónicoCorreio: lisboacantat@lisboacantat.com

26 Julho 2007

TOPO

ASSOCIAÇÃO MUSICAL PRO ORGANO

A Associação Musical PRO ORGANO tem sede no Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian, onde foram aprovados os Estatutos e Regulamento a 29 de Dezembro de 1999. Foi constituída por escritura pública em 25 de Maio de 2000, assinada no 1º Cartório Notarial de Aveiro e publicada na III Série do Diário da República em 12 de Julho do mesmo ano. Em linhas gerais, a Associação pretende implementar, tanto a recuperação dos órgãos históricos, como a aquisição de órgãos novos, apoiar a formação de organistas, organizar concertos e actividades organísticas de índole didáctica, promover a investigação científica neste ramo da vida musical. Na assembleia geral realizada em 10 de Julho de 2000, foram eleitas, para os corpos sociais no triénio 2000 - 2003, as seguintes pessoas:

Mesa da Assembleia Geral:

R. P. João Gonçalves (presidente), Dr.ª Maria Eugénia Nunes de Almeida (em representação da Santa Casa da Misericórdia), Eng. José Matos Rodrigues.

Suplentes: Profs. Guida Cipriano e Duarte Neves

Conselho fiscal:

Profs. António Mário Costa, Carlos Firmino e João Moita

Suplentes: Profs. Eva Ribau e Domingos Lopes

Direcção:

Prof. Domingos Peixoto (presidente), Eng. António Dias Cardoso (vice-presidente), Dr.ª Maria da Luz Nolasco (secretária), Dr.ª Ana Gomes (tesoureira), Sílvia Laranjeira Martins (vogal)

Suplentes: Dr. Valdemar Silva, Tadeu Filipe, Liliana Costa e Pedro Figueira.

Estão presentes na Associação pessoas pertencentes a um leque bastante alargado de instituições, nomeadamente Autarquia, Paróquia da Glória, Universidade, Museu, Santa Casa da Misericórdia, Conservatório e sua Associação de Estudantes, Escola Diocesana de Música Litúrgica, Associação Graduale, entre outras. A AMPO conta actualmente com cerca de 50 associados.

CONTACTOS

Correio electrónicoCorreio: proorgano@netvisao.pt

22 Maio 2005

TOPO

ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ENSINO DA MÚSICA

CONTACTOS

Morada
Associação dos Profissionais do Ensino da Música

Rua de Júlio Dinis, 561, sala 702

4050-325 Porto

TelefoneTel. (+00 351) 226 062 410

FaxFax (+00 351) 226 062 410

TelemóvelTlm. (+00 351) 966 355 009

SítioSítio: apemusica.planetaclix.pt

TOPO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CIÊNCIAS MUSICAIS

CONTACTOS

MoradaMorada:

a/c Departamento de Ciências Musicais

F.C.S.H. - Universidade Nova de Lisboa

Av. de Berna, 26 C

1069-061 Lisboa

PORTUGAL

TelefoneTel. (+00 351 217) 933 519, Ext: 583

FaxFax (+00 351) 21 7977759 (a/c Dep. Ciências Musicais)

SítioSítio: www.apcm.fcsh.unl.pt

Correio electrónicoCorreio: apcm@fcsh.unl.pt

TOPO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE MUSICOTERAPIA

De acordo com a definição da FEDERAÇÃO MUNDIAL DE MUSICOTERAPIA (WFMT), "A Musicoterapia é a utilização da música e/ou de seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia), por um musicoterapeuta qualificado, num processo sistematizado de forma a facilitar e promover a comunicação, o relacionamento, a aprendizagem, a mobilização, a expressão, e organização de processos psíquicos de um ou mais indivíduos para que ele(s) recupere as suas funções, desenvolva(m) o seu potencial e adquira (m) melhor qualidade de vida.

A intervenção envolve actividades musicais que podem ser podem ser feitas individualmente ou em grupo, num processo planificado e continuado no tempo, levado a cabo por profissionais com formação específica.

A Musicoterapia destina-se especialmente a pessoas com problemas de relacionamento, comunicação, comportamento e integração social, podendo ser aplicada a idosos, adultos, adolescentes, e crianças em instituições de saúde física e mental, educação, intervenção comunitária e reabilitação.


APRESENTAÇÃO

A APMT é uma organização sem fins lucrativos fundada em Janeiro de 1996, com a missão de reunir os profissionais de disciplinas afins e promover o desenvolvimento da Musicoterapia em Portugal.

A fundação da APMT resultou do esforço de um grupo de profissionais e sócios da Associação Portuguesa de Educação Musical (APEM), e do interesse dos participantes do primeiro curso de formação em Musicoterapia existente em Portugal, organizado pela Secretaria Regional de Educação Especial da Madeira.

Desde ai, a APMT tem vindo a organizar encontros, seminários e workshops ligados ao tema da Musicoterapia em várias regiões do país, bem como a promover o estabelecimento de critérios de qualificação para a prática e para a formação profissional em Musicoterapia.

A APMT tem ainda servido de fonte de informação e encaminhamento entre profissionais, instituições e pessoas interessadas na prestação de serviços de Musicoterapia.


OBJECTIVOS

Promover a organização e o desenvolvimento da Musicoterapia como disciplina de conhecimento e como profissão em Portugal.

Reunir os profissionais de Musicoterapia e disciplinas afins para a promoção de projectos de estudo, intervenção e investigação.

Prestar informações ao público em geral e às demais categorias profissionais sobre os serviços disponíveis e os cursos de formação de Musicoterapia em Portugal.

Contribuir para a formação e o desenvolvimento profissional dos musicoterapeutas em Portugal.

Estabelecer e implementar os critérios de reconhecimento da prática clínica da Musicoterapia e respectiva formação profissional em Portugal, pugnando pelo exercício sério desta profissão.

Fomentar o intercâmbio de experiências e conhecimento entre os indivíduos e as instituições interessadas em Musicoterapia, no país e no estrangeiro.

CONTACTOS

MoradaMorada:

APMT

Associação Portuguesa de Musicoterapia

Rua Freitas Gazul, 34, loja 5

1350-149 Lisboa

TelemóvelTlm. (+00 351) 933 242 678 

Correio electrónicoCorreio: musicoterapia@sapo.pt

TOPO

ASSOCIAÇÃO PRÓ-MÚSICA DA PÓVOA DE VARZIM

CONTACTOS

MoradaMorada:

Associação Pró-Música da Póvoa de Varzim

Rua D. Maria I, 56

4490-538 Póvoa de Varzim PORTUGAL

TelefoneTel. (+00 351) 252 614 145

FaxFax (+00 351) 252 612 548

Correio electrónicoCorreio: auditorio@cm-pvarzim.pt

TOPO

BINAURAL

A Binaural é uma Associação Cultural sem fins lucrativos fundada em 2004 com o intuito de promover a exploração e a pesquisa nos domínios da arte sonora e visual experimental, com especial ênfase na transversalidade de media e linguagens e na articulação entre a produção artística e o contexto envolvente, particularmente ao desenvolver actividades no espaço rural de Nodar, pertencente ao Concelho de São Pedro do Sul.

CONTACTOS

SítioSítio: www.binauralmedia.org

TOPO

CASA DA MÚSICA

SOBRE O PORTO

Principal cidade do noroeste peninsular, situada 300 km a Norte de Lisboa e banhada pelo rio Douro e Oceano Atlântico, o Porto é famoso pelo vinho a que dá nome: o vinho do Porto. Cidade histórica das mais antigas do país, deu origem ao nome "Portugal" e é classificada pela UNESCO, de "Património da Humanidade". Importante centro comercial e de negócios, o Porto sobressai pela sua riqueza cultural, arquitectónica e monumental, onde pontuam alguns legados de Nicolau Nasoni. Em 2001, foi Capital Europeia da Cultura.

A tradição do Porto no campo da música é muito antiga e em finais dos sécs. XIX / início do séc. XX, a cidade era mesmo paragem obrigatória no circuito internacional dos mais importantes acontecimentos musicais, sobretudo, na área da ópera. São também originários do Porto alguns dos vultos maiores da nossa história da música, passada e recente.

APRESENTAÇÃO

A ideia da construção da Casa da Música (CM) surgiu no âmbito do Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura e foi lançada ao público como paradigma das transformações a potencializar na cidade por ocasião deste importante acontecimento.

Estrategicamente situada na zona privilegiada da Rotunda da Boavista, a meio caminho entre a baixa, o centro histórico e área de negócios da Boavista e a Foz, fica a nova Casa da Música, um imenso e imponente edifício branco, de forma poliédrica arrojada, criada de raiz para a apresentação de espectáculos de carácter musical.

Concebida pelo arquitecto holandês Rem Koolhaas, com base num projecto cultural inovador germinado no Porto 2001- Capital Europeia da Cultura e materializada por um grupo de notáveis empresas portuguesas, a Casa da Música é um espaço multidisciplinar e polivalente, com infra-estruturas, espaços e meios técnicos e acústicos impares para a produção e acolhimento de diversificados espectáculos musicais e outros eventos.

CARACTERÍSTICAS / VALÊNCIAS

Como espaço de características singulares na apresentação preferencial de acontecimentos musicais, a Casa da Música é dotada de dois auditórios (um grande e um pequeno), oito salas de ensaio, de dimensões diversificadas, duas delas convertíveis em estúdios de gravação, um espaço de cybermúsica, uma área do Serviço Educativo, um centro de documentação, múltiplos foyers com zonas para exposições temporárias, performances e/ou pequenos concertos, zona comercial, restaurante, vários bares e parque de estacionamento. A lógica prevalecente na concepção do todo e dos diferentes espaços previstos foi o da optimização dos recursos humanos, técnicos e energéticos e o da criação de estruturas de qualidade que permitissem uma múltipla utilização, com inerente rentabilização. Nesse sentido, a Casa da Música constitui um espaço aberto, singularmente dotado e pensado não só para a apresentação de eventos próprios a cargo dos seus agrupamentos residentes, mas também com potencial e capacidade para albergar os mais diversificados espectáculos ou certames de âmbito cultural. Para além da música clássica, no seu sentido mais abrangente e nas suas múltiplas vertentes, a Casa da Música tem condições ideais para o acolhimento de acontecimentos de índole rock, de jazz, de fado, festivais diversos, espectáculos de dança ou ópera de câmara. Em suma, a Casa da Música é um espaço aberto a todo o género de realizações musicais ou culturais, desde que pautadas por critérios de qualidade. A sua acção marcará certamente o panorama cultural português como centro de produção, divulgação e formação musical privilegiado, através do aperfeiçoamento de intérpretes, criação de novos públicos, a inovação e como centro de gravações, pelas suas condições técnicas e acústicas optimizadas. Os seus restantes espaços, para além dos auditórios, comportam também uma multiplicidade de préstimos que lhes permite serem palco de exposições temporárias, pequenos concertos, instalações, performances várias, shows multimédia, entre uma infinidade de outras utilizações. O ineditismo do projecto a somar às suas características únicas em termos de concepção arquitectónica, valências e equipamentos, alicerçados pela qualidade e variedade da sua programação, não só projectam de antemão a Casa da Música como uma mais valia impar da cidade em termos culturais, de âmbito nacional e internacional, como fazem dela um pólo interactivo anunciado na vida cultural, social e até empresarial dos portugueses.

Também a sua localização geográfica no Porto, litoral Norte do País, permite estender a sua área de influência a um raio de 150/200 km em seu redor, cobrindo os públicos que vão de Coimbra à Galiza, passando no interior Leste por Viseu, Bragança e Vila Real.

GRANDE AUDITÓRIO

O Grande Auditório será o centro nevrálgico e o coração público da Casa da Música. Com uma área total de 1100m2 e capacidade para 1238 lugares, é dotado das mais exigentes condições acústicas e técnicas para o acolhimento de médias e grandes produções. Possui igualmente todas as infra-estruturas necessárias para a gravação, filmagem e transmissão de espectáculos em condições ideais. No formato de um imenso rectângulo, tem lateralmente e nas pontas, zonas envidraçadas, que permitem a comunicação visual com outras áreas públicas do edifício. Por detrás da plateia e do palco, duas paredes de vidro completam o princípio da transparência que presidiu à sua concepção. A plateia em declive, possui ainda dois pequenos balcões laterais para a instalação de 26 pessoas. O palco, com capacidade para 110 músicos, divide-se em várias secções, equipadas com elevadores. Pode ainda ser ampliado pela amovibilidade das quatro primeiras filas da plateia, permitindo a criação de um fosso de orquestra. A parte posterior do palco, poderá ainda comportar um coro de 143 elementos. A instalação de dois orgãos de tubos de características diferentes será uma valência rara em termos mundiais (embora os órgãos actualmente instalados sejam falsos, a CdM prevê a sua substituição por órgãos verdadeiros, num futuro próximo). Na sua decoração interior, predominam os tons de prateado e dourado, em franco e intencional contraste com os jogos de luzes proporcionados pelos seus espaços envidraçados. Ex-libris da Casa da Música, o Grande Auditório será, por assim dizer, o palco privilegiado dos grandes acontecimentos musicais a ter lugar na cidade do Porto.

PEQUENO AUDITÓRIO

O pequeno auditório constitui outra das grandes atracções da Casa da Música pela originalidade da sua concepção, como espaço polivalente adaptável aos mais variados fins. A caracterizá-lo numa palavra, elasticidade seria provavelmente o termo certo. Com 320m2 e capacidade para cerca de 300 pessoas sentadas, o pequeno auditório, complemento do grande, tem na sua total adaptabilidade, a sua chave funcional. Com chão plano, desprovido de cadeiras fixas, permite acolher espectáculos musicais em que público e palco podem dispor de colocações variáveis. Uma plasticidade que suscita a criação de atmosferas distintas para eventos e iniciativas que podem ir do jazz ao fado, dos DJ's aos recitais, ou das conferências aos encontros profissionais. A remoção do palco e cadeiras permite ainda uma infinidade de outras utilizações. Apesar da sua acústica natural optimizada, o Pequeno Auditório tem ainda infra-estruturas de amplificação sonora e iluminação, adequadas à convertibilidade do espaço. É a Sala 2 da Casa da Música.

SALAS DE ENSAIO/ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO

Como referido, a Casa da Música dispõe de um total de oito salas de ensaio para servir os agrupamentos residentes e os convidados. As duas maiores, com áreas de 230 e 170 m2, localizam-se no subsolo (-2) e destinam-se aos ensaios de grupos de 20 a 120 elementos. Estão acusticamente preparadas para funcionarem como estúdios de gravação, dispondo a maior duma régie acoplada que permite controlar as gravações em ambas. Para além destas, o edifício compreende ainda mais outras duas salas de ensaio com 60m2 cada, no subsolo, e outras 4, com cerca de 40 m2 no piso 1.

ESPAÇO CYBERMÚSICA

Área destinada à apresentação/instalação de projectos multimédia e de investigação/composição no campo da música electrónica e das novas tecnologias. É um espaço público de divulgação e fruição destes géneros alternativos de música e tecnologias, com uma forte componente educativa.

SERVIÇO EDUCATIVO

Abarca os projectos educativos, que compreendem ateliers musicais, workshops, babysitting, programas paralelos aos concertos etc. Estas acções de formação, para além das diferentes salas de ensaio, contam com dois espaços localizados nas áreas públicas em redor do Grande Auditório, permitindo um contacto visual directo com o mesmo. Tal como acontece com as restantes áreas públicas, existirão também nestes espaços televisores que permitem o acompanhamento das actividades (ensaios, espectáculos, etc.) em desenvolvimento nos auditórios.

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

Será um espaço de investigação e consulta de partituras, gravações, livros e outras documentações existentes. Essencial para a actividade da música e dos músicos, constituirá o arquivo de apoio aos agrupamentos residentes e aos músicos em geral. Fonoteca , videoteca e biblioteca, este espaço corporiza uma das mais interessantes valências da Casa da Música, facilitando ao público interessado a documentação existente e os variados espólios legados.

SALA VIP

Espaço multifuncional essencialmente vocacionado para acções de apoio a promotores, patrocinadores e mecenas. Possui um conjunto de infra-estruturas de comunicação e transmissão de dados para as imprensas e televisões, que permitem a realização de conferências de imprensa, recepções oficiais, etc.. À semelhança da maioria das áreas públicas da Casa da Música, também aqui existe uma relação permanente entre o Grande Auditório e o exterior do edifício, pela existência de uma janela virada para a rua e de outra para o interior do auditório. Esta área é complementada com uma zona de lazer localizada sobre o Pequeno Auditório, o Terraço I, que pela sua localização permite excelentes vistas sobre a cidade. A articulação destes dois espaços permite uma oferta diversificada de acções de apoio aos mecenas e patrocinadores.

RESTAURANTE e BARES

O restaurante está situado na cobertura do edifício e terá capacidade para 250 pessoas. Incluirá bar, café-concerto e uma esplanada exterior. Para além do restaurante, a Casa da Música dispõe ainda de vários bares de apoio aos auditórios, bar/cantina para artistas e pessoal e um café/bar localizado na praça envolvente do edifício.

ZONA COMERCIAL

Está prevista também uma área comercial para venda de discos, livros, partituras, vídeos e "merchandising" da Casa da Música.

OUTRAS ÁREAS

Outra das mais valias da Casa da Música são os seus múltiplos espaços, foyers, com ou sem bares, que permitem uma infinidade de manifestações de âmbito mais pequeno. Exposições temporárias, pequenos concertos, instalações são algumas das muitas utilizações possíveis.

ÁREAS DE APOIO

Toda uma vasta estrutura de apoio e serviços, compreendendo zonas administrativas, recepção, camarins, vestiários, salas para armazenamento de instrumentos, serviços técnicos e de manutenção, régie de som, bilheteiras, segurança etc... complementam as valências da Casa da Música.

PARQUE DE ESTACIONAMENTO

Outro trunfo maior deste edifício, é certamente a sua capacidade de estacionamento, com um parque subterrâneo de três pisos, para cerca de 700 veículos, com ligação interior directa à Casa da Música. Este acesso directo ao interior do edifício é complementado com elevador e várias escadas com saída para a praça em redor da Casa da Música, permitindo deste modo uma utilização externa, independentemente dos horários de funcionamento do edifício. Com 2 entradas e 2 saídas de acesso às viaturas, associadas a um traçado simples e espaçoso, o Parque de Estacionamento da Casa da Música apresenta uma fluidez, escoamento de tráfego e conforto, que fazem dele um elemento essencial e complemento de qualidade do projecto da Casa da Música.

TOPO

CENTRO DE CULTURA E RECREIO DO ORFEÃO DA FEIRA

O Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira tem uma história riquíssima, cujas raízes e percursos se cruzam com as gentes e tradições mais profundas do burgo feirense. As suas origens remontam a 6 de Janeiro de 1912, quando alguns notáveis feirenses criavam o Orfeão que, durante 45 anos, dignificou e promoveu a cultura e os valores musicais. Após interregno de 20 anos, um forte movimento faz renascer esse espírito e assim surge, em 1975, o Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira, adaptado às novas facetas da cultura moderna e da sociedade e estruturado de forma a servir a cultura e a ocupação saudável dos tempos livres dos vários estratos da população.

CONTACTOS

MoradaMorada:

Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira

Rua Condes de Fijô, apartado 74

4524-909 Santa Maria da Feira

TelefoneTel. (+00 351) 256 363 430

FaxFax (+00 351) 256 374 617

SítioSítio: www.orfeaodafeira.pt

Correio electrónicoCorreio: orfeao@orfeaodafeira.pt

TOPO

CENTRO DE CULTURA MUSICAL

CONTACTOS

MoradaMorada:

Centro de Cultura Musical - ARTAVE

Caldas da Saúde

4784-907 AREIAS SANTO TIRSO

PORTUGAL

TelefoneTel. (+00 351) 252 808 830

FaxFax (+00 351) 252 861 618

TOPO

CÍRCULO CULTURAL SCALABITANO

CONTACTOS

MoradaMorada:

Rua Maestro Luís Silveira, nº 4

2000-117 Santarém

PORTUGAL

TelefoneTel. (+351) 243 321 150

FaxFax (+351) 243 321 377

SítioSítio: www.circuloculturalscalabitano.pt

Direcção

Correio electrónicoCorreio: direccao@circuloculturalscalabitano.pt

Ballet

Correio electrónicoCorreio: ballet@circuloculturalscalabitano.pt

Coro

Correio electrónicoCorreio: coro@circuloculturalscalabitano.pt

Orquestra Típica Scalabitana

Correio electrónicoCorreio: ots@circuloculturalscalabitano.pt

TOPO

CÍRCULO DE CULTURA MUSICAL DA BAIRRADA

O Círculo de Cultura Musical da Bairrada, com sede em Oliveira do Bairro, tem por objecto o desenvolvimento da cultura musical dos seus membros e da população da Bairrada. Para a consecução destes fins, o Círculo de Cultura Musical da Bairrada tem, como meios privilegiados, a realização de concertos, cursos e encontros, de natureza musical, podendo ainda constituir agrupamentos musicais ou tomar iniciativas no âmbito do ensino da música. Das suas actividades regulares, e que anualmente vem realizando na região da Bairrada, destacam-se os Cursos de Verão, dedicados a vários instrumentos, e os Ciclos de Guitarra. As restantes actividades são, geralmente, a organização, promoção e realização de espectáculos musicais que incluem não só os artistas da região, como outros de reconhecida qualidade, quer a nível nacional quer internacional.

CONTACTOS

MoradaMorada:

Círculo de Cultura Musical da Bairrada

Apartado 112

3770-909 Oliveira do Bairro

TelefoneTel. (00 351) 234 185 661

TelemóvelTlm. (00 351) 962 742 119

SítioSítio: www.ccmbairrada.com

Correio electrónicoCorreio: ccmb@sapo.pt

TOPO

CÍRCULO PORTUENSE DE ÓPERA

Fundado em Dezembro de 1966, o Círculo Portuense de Ópera tem como principal finalidade promover e fomentar junto de todas as camadas sociais o estudo e a divulgação da ópera, especialmente através da realização de espectáculos.

Das várias óperas apresentadas ao longo dos seus 38 anos de existência destacam-se a "Norma" de Bellini, a "Carmen", de Bizet, "Il Filosopho di Campagna", de Callupi, os "Carmina Burana", de Carl Orff, "Rita", "L'Elisir d'Amore", "Don Pasquale", de Donizetti, "Orfeu", de Glück, "L'Amico Fritz", de Mascagni, "Amahl e os Visitantes da Noite", de Menotti, "Bastien und Bastienne", "Cosi fan Tutte", "D. Giovanni", "As Bodas de Fígaro", de Mozart, "Madama Butterfly", "La Bohème" e "Tosca", de Puccini, "O Barbeiro de Sevilha", de Rossini, "La Traviata" e "Falstaff", de Verdi.

No que respeita a actividade concertista, a acção do CPO é também muito relevante, pois nos seus programas figuram obras de repertório coral, como "O Messias" de Händel, "A Paixão Segundo S. João" e Cantatas 147 e 206 de Bach, o "Te Deum de Charpentier", "Missa da Coroação" de Mozart, 9ª Sinfonia de Beethoven, "Rapsódia Coral" de Brahms, "Oceanos Cósmicos" de Cândido Lima, "Petite Messe Solennelle" de Rossini, "Ode Sinfónica a Vasco da Gama" de Bizet, "Os Planetas" de Gustav Holst, "Um Requiem pela Humanidade" de Jorge Salgueiro bem como uma série de programas que englobam coros, árias de óperas mais representativas, por isso mesmo genericamente baptizados "Noites de Ópera".

Dos maestros com quem trabalhou, destaca Gunther Arglebe, Gyula Nèmeth, Garcia Navarro, Manuel Ivo Cruz, Dimitri Kitaenko, Omri Hadari, Eugene Khoen, Marc Tardue, Reynald Giovaninetti, Massimiliano Caldi, Roman Brogli e Roberto Manfredini e os encenadores José Cayolla, Denis Krief, Tim Coleman, Jorge Vaz de Carvalho e Mietta Corli. Em Julho de 2003, a convite da Fondazione Arturo Toscanini (Parma - Itália), participou na temporada estival de ópera organizada por esta Fundação, levando à cena no Castello Mediovale di Vigoleno "Carmina Burana" Carl Orff, com óptimas críticas do público e dos media.

A 1 de Outubro de 1985, no Dia Mundial da Música, o CPO foi condecorado pelo Ministério da Cultura com a Medalha de Mérito Cultural pelos relevantes serviços prestados à música. Em 2001, a Câmara Municipal do Porto atribui-lhe a Medalha de Mérito Cultural - Grau Ouro.

CONTACTOS

Correio electrónicoCorreio: cpopera@mail.telepac.pt

12 Janeiro 2005

TOPO

CONCERTATO ASSOCIAÇÃO CULTURAL

CONTACTOS

MoradaMorada:

Concertato Associação Cultural

Av Cid Lourenço Marques, Pta A Módulo 4

1800-093 Lisboa

PORTUGAL

TOPO

CULTURPORTO - ASSOCIAÇÃO DE PRODUÇÃO CULTURAL

CONTACTOS

MoradaMorada:

Culturporto - Associação de Produção Cultural

Rivoli Teatro Municipal

Praça D. João I

4000-295 PORTO

TOPO

IDEIAS DO LEVANTE - ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE LAGOA

CONTACTOS

MoradaMorada:

Ideias do Levante - Associação Cultural de Lagoa

Trav. Dr. João Grade, 24

8400 LAGOA

TelemóvelTlm. (+00 351) 965 017 845

SítioSítio: www.ideiasdolevante.net

Correio electrónicoCorreio: secretaria@id3ias.com

Correio electrónicoCorreio: ideiasdolevante@id3ias.com

TOPO

LEGATO - ASSOCIAÇÃO DE ARTE E GUITARRA DE PORTUGAL

A Legato - Associação de Arte e Guitarra de Portugal surgiu em Novembro de 1998 como consequência natural de um intenso trabalho de divulgação da guitarra, e pretende ser, antes de mais, uma organização de promoção, desenvolvimento e actualização, inserida num panorama nacional e internacional. O projecto Guitarra 2000 (iniciado em 1992) deu corpo a várias iniciativas centradas no Norte de Portugal, nas quais se apresentaram algumas das mais distintas individualidades do mundo da guitarra.

A Legato pretende ser interdisciplinar, promovendo a guitarra nas suas mais diversas vertentes - desde a guitarra clássica à guitarra portuguesa, guitarra eléctrica, instrumentos de tradição popular e instrumentos antigos, quer como instrumento solista quer como parte integrante de grupos ou formações onde seja de certa forma proeminente.

A Legato é pioneira em Portugal com estas características. Os Encontros de Guitarra são já uma referência para este instrumento na cidade do Porto, enquanto que é a única entidade a organizar concursos de guitarra especificamente vocacionados aos mais jovens. A Colecção Música Portuguesa para Guitarra divulga a música e os compositores Portugueses, sendo uma das muito escassas iniciativas deste género no país.

TOPO

PANGEIART - ASSOCIAÇÃO CULTURAL

A PangeiArt é uma associação cultural com iniciativas na área das artes performativas, da música e da educação pela arte. A PangeiArt procura desenvolver projectos com uma forte componente de criação e exploração artística num contexto contemporâneo, criando enfoques em sistemas de valores culturais que conduzam à diversidade, inovação e desenvolvimento. A Associação acredita na criatividade como um mecanismo poderoso de transformação, vital no aprofundar da democracia e da liberdade de expressão. Desde 2000 a PangeiArt tem vindo a desenvolver uma rede de parcerias com organizações não governamentais e associações culturais sobretudo em África mas não só. Alguns exemplos são a Chá de Caxinde, ADRA e Bismas em Angola, a Associação Cultural Video Brasil, Escola Pracatum e Fundação Palmares no Brasil ou a Fundacion de Música e a Fundacion Délia Zapata Olivella em Bogotá, Colombia. Ao nível europeu a PangeiArt tem vindo a desenvolver colaborações com organizações, centros culturais e empresas como por exemplo com o North Kesteven District Council e Leisure Connections, o Rapid Prototyping Consortium do qual faz parte a British Aerospace e a Arts NK com a qual se encontra actualmente a preparar o projecto Sound Park para a reserva natural de Wisby Park em Inglaterra.

Nos últimos quatro anos a PangeiArt desenvolveu projectos com o apoio da Fundação Prince Claus da Holanda, Fundação Gulbenkian (delegação do Reino Unido), Instituto Camões, Instituto das Artes/Ministério da Cultura, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portuguêses, Netherlands Institute for Southern Africa, EPAL Companhia da Águas, Visiting Arts/British Council. A PangeiArt é parceira da Global Alliance for Cultural Diversity da UNESCO.

Projectos presente e passado

Pangeia Instrumentos Museu Itinerante (início 2005) - O objectivo do Museu Itinerante é o de mostrar o processo de evolução de instrumentos musicais através da exposição Pangeia Instrumentos partindo de Portugal e visitando cidades europeias. De momento procuramos parceiros para desenvolver, produzir e implementar este projecto. Estamos particularmente interessados em ser contactados por pessoas com experiência na área da produção com uma boa gama de contactos a nível nacional e europeu.

Folk Songs for the Five Points - um projecto desenvolvido para o Tenement Museum em Nova Iorque pelo nosso colaborador David Gunn com gravações e performances de Victor Gama, Guillermo E. Brown and William Parker que tiveram lugar no museu e em vários locais da cidade como o prestigiado Tonic. Um site foi desenvolvido com um mapa sonoro do Lower East Side a fim de estabelecer um diálogo activo entre espaços físicos e espaços virtuais da cidade onde é possível criar " folk songs " através de misturas daqueles sons e temas criados por Victor Gama para o efeito.

Odantalan - realidades invertidas | processos de reconstrução (2000 - 2002) Odantalan é um programa de intercâmbio artístico e de criação contemporânea baseado nas heranças e tradições Afro-Atlânticas nas áreas da música, expressão corporal, performance de combate, fotografia e design gráfico. O projecto pretende promover novos processos criativos no contexto do impacto histórico das tradições Africanas no mundo com especial relevo para a herança Kongo/Angola nas duas margens do Atlântico. Em 2002 a PangeiArt produziu o projecto em Angola com o apoio da Fundação Prince Claus e do Instituto Camões/Centro Cultural Português em Luanda através de uma série de ateliers e residência artística com participantes de Angola, Brasil, Cuba, Portugal e Colômbia. Os grupos de trabalho de músicos ao qual se juntou um grupo de historiadores de arte, musicólogos, linguístas e lideres religiosos desenvolveram um conjunto de novas obras musicais, ensaios e debates que foram apresentadas a público no Centro Cultural Português, no Museu Nacional de Antropologia e na Associação Chá de Caxinde em Luanda e que posteriormente foram publicadas em livro e em CD audio.

Tsikaya - Tradições Comunitárias na Construção da Paz (projecto piloto: 2003)

Primeiro arquivo digital de música rural em Angola, o projecto Tsikaya é uma parceria entre organizações que trabalham nas áreas da cultura, desenvolvimento, direitos humanos, educação cívica e liberdade de expressão em Angola. Propõe uma aproximação abrangente na tarefa da construção da paz e do combate contra a pobreza e exclusão através da preservação e recuperação das tradições musicais do meio rural.

Cimboa (início 2001) - Um projecto de recuperação e preservação de um instrumento musical de Cabo Verde. Iniciado em 2001 pela PangeiArt em parceria com a escola de música Pentagrama da cidade da Praia conta com a colaboração de João Nicolau que realizou um documentário sobre a Cimboa e seu único construtor vivo, o mestre Mano Mendi. O projecto conta com uma página na internet alojada pela plataforma cultural Power of Culture do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Holanda e financiada por esta entidade.

A equipa

Direcção Artística: Victor Gama
Coordenação de publicações: Inge Ruigrok
Coordenação de projectos de arte digital: David Gunn
Curadoria: Barbaro Martinez-Ruíz

TOPO

RICERCARE - ASSOCIAÇÃO MUSICAL

CONTACTOS

MoradaMorada:

RICERCARE - Associação Musical

Rua da Prata, nº 291 - 1º

1100-418 Lisboa 

TelefoneTel. (+00 351) 213 429 042

FaxFax (+00 351) 213 429 042

TelemóvelTlm.  (+00 351) 919 586 932

Correio electrónicoCorreio: ricercare@iol.pt

TOPO

SINTRA ESTÚDIO DE ÓPERA ASSOCIAÇÃO CULTURAL

Sintra Estúdio de ÓperaAssociação Cultural. Sintra Estúdio de Ópera Associação Cultural tem por objectivo a realização de espectáculos e concertos de música, ópera, teatro e outras artes performativas, workshops, masterclasses e outras acções de formação na área vocal e musical, atelier de ensino artístico, promoção de eventos de cariz cultural de uma forma geral.

Em 1999, o Sintra Estúdio de Ópera criou as suas estruturas tendo, nessa fase, o apoio fundamental do Progresso Clube de Algueirão - Mem Martins. Em Julho de 2005 e, em consequência da crescente actividade, o Sintra Estúdio de Ópera autonomizou-se, constituindo-se como uma Associação Cultural.

Actualmente, o Sintra Estúdio de Ópera - Associação Cultural, além do Sintra Estúdio de Ópera acolhe na sua estrutura a Orquestra de Câmara de Sintra, o Quarteto de Cordas de Sintra e o Trio Sintrarte.

O Sintra Estúdio de Ópera nasceu em 1999, com o intuito de contribuir para o desenvolvimento artístico e cultural de todos os seus colaboradores e meio envolvente, contado desde então, com a direcção artística de Albertina Xavier. Logo no ano seguinte apresentou a sua primeira produção de ópera: "L'Ivrogne Corrigé" de Cristoph W. Gluck, no Auditório do Progresso Clube, no Algueirão, com repetições no Palácio da Independência e Auditório da OML, ambos em Lisboa. Quatro anos depois, também em colaboração com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, apresentou no Teatro Sá da Bandeira, em Santarém a ópera cómica A Vingança da Cigana, de António Leal Moreira. Com esta ópera, assegurou a reabertura do Teatro Bernardim Ribeiro, em Estremoz repetindo récitas no Barreiro e em Montelavar.

Além de ópera, o Sintra Estúdio de Ópera trabalha também outros repertórios:

Modinhas e música de salão luso-brasileira dos Séc.XVIII/XIX, apresentado pela primeira vez em 2002, no Palácio Nacional de Queluz, no âmbito da reconstituição histórica "1786 - Um dia na Corte, um dia na Feira". Este espectáculo tem sido apresentado por vários locais do País.

Concerto de música barroca vocal e instrumental, no Palácio dos Arcebispos em Santo Antão do Tojal e no Palácio Nacional de Mafra (2002).

Música renascentista portuguesa, no Castelo de S. Jorge, Lisboa, e Pavilhão de Caça da Tapada Nacional de Mafra (2002).

Música de Salão na Corte Portuguesa do séc. XVIII - Um Divertimento Musical , estreou no Teatro Lethes, em Faro, em 2003, tendo sido repetido no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra e no Auditório Municipal Augusto Cabrita, no Barreiro.

A obra "Stabat Mater", de Pergolesi foi apresentada pela primeira vez na Igreja de São Martinho em Sintra, em 2003. Desde essa altura já marcou presença no Palácio Nacional de Queluz, na Igreja de S. Vicente de Fora, em Lisboa, na Igreja Matriz de Samora Correia, na Igreja de Marvila, em Santarém e no Cine-Teatro Caracas, em Oliveira de Azeméis.

No "Ano Carlos Seixas", da Câmara Municipal de Coimbra, em 2004, o Sintra Estúdio de Ópera assegurou uma Recriação musical setecentista.

No 41º Festival de Sintra, em 2006, apresentou um concerto de música sacra, interpretando em estreia moderna, obras de compositores portugueses do início do séc. XIX.

Desde 2002, apresenta-se regularmente na Pousada de Santa Isabel, Estremoz e colabora, desde 2003, com a Quinta de Cidrô, Douro, na realização de uma noite pombalina, por ocasião da Vindouro.

CONTACTOS

MoradaMorada:

Sintra Estúdio de Ópera

Rua Prof. Agostinho da Silva 53, 4º Dto

2725-528 Mem Martins

TelefoneTel. (00 351) 219 260 570

FaxFax: (00 351) 219 260 570

TelemóvelTlm. (00 351) 966 464 611

SítioSítio: www.sintraestudiodeopera.org


ENDEREÇOS ELECTRÓNICOS

Comunicação:

Correio electrónicoCorreio: comunicacao@sintraestudiodeopera.org

TOPO

AngraJazz

TOPO